terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

MARCO CARMO

(Marco António Silva Carmo,5/11/1975,Portimão)
Médio-ofensivo
86/87-Centro Lagos-------inf.
87/88-Centro Lagos-------inf.
88/89-Centro Lagos-------ini.

89/90-Centro Lagos-------ini.
90/91-Esp.LAGOS----------juv.
91/92-Esp.LAGOS----------juv.

92/93-Farense------------jun. 
93/94-Esp.LAGOS----------jun.
94/95-Esp.LAGOS----------III
95/96-Esp.LAGOS----------III
96/97-Esp.LAGOS----------III
97/98-Imortal------------
II B
98/99-Esp.LAGOS----------
III
99/00-Imortal------------
II H.
99/00-Esp.LAGOS----------III
00/01-Esp.LAGOS----------III
01/02-Padernense---------II B
02/03-Esp.LAGOS----------III
03/04-Esp.LAGOS----------III
04/05-G.D.Lagoa----------
III
05/06-Silves-------------II B
06/07-E
sp.LAGOS----------Dist.
07/08-Esp.LAGOS----------Dist.
08/09-Esp.LAGOS----------Dist.
09/10-Esp.LAGOS----------III
10/11-Juv.Aljezurense----Dist.

10/11-C.D.Odiáxere-------Dist.















 










































Elemento importantíssimo no meio-campo do Esperança de Lagos durante 12 épocas (intercaladas),Marco Carmo repartiu o período de formação pelo Centro de Lagos,onde foi chamado por diversas vezes ás selecções de Sub-12,Sub-13 e Sub-15 do Algarve,e pelo Esperança,tendo tido uma experiência no Farense,ainda em junior,onde competiu no Campeonato Nacional da categoria.
Em seniores,Marco teve passagens pelo Imortal(onde as lesões o impediram de jogar mais regularmente),na 2ªDivisão B e 2ª Liga, e também pelo Padernense de Paulo Campos,ficando ai apenas uma época.
Depois de outras duas boas temporadas no Esperança,nova saida,desta vez para os vizinhos do Lagoa e Silves,novamente na 2ª B.
De volta a Lagos,Marco,assume a posição de capitão e líder no meio-campo esperancista,tendo um papel fulcral na grande campanha da época de 2008/09,onde o clube se sagrou Campeão Distrital e vencedor da Taça do Algarve,uma "dobradinha" inédita na história centenária do clube lacobrigense.
Com as lesões a voltar a afectar o seu rendimento,Marco Carmo deixa o Esperança em 2009/10 para duas curtas experiências no Aljezurense e Odiáxere,antes de terminar a carreira em 2011.
Marco Carmo retorna ao Esperança para treinar as equipas de Infantis e Iniciados do clube entre 2012 e 2014.





Marco Carmo,o 5º em cima,da esquerda,nos júniores do Esperança

Entrevista de Marco ao "Notícias de Lagos" em 2007(clique para ampliar)



Recorte retirado do "Jornal de Lagos" de 2000








Marco no Imortal

















Marco no Silves














Marco no Padernense






Marco,capitão do Esperança,recebe a Taça do Algarve de 2008/09








2 comentários:

Anónimo disse...

capitão MARCO!!

Anónimo disse...

Marco Carmo foi um dos muitos jogadores que (infelizmente) passaram ao lado de uma grande carreira.
No seu caso, por três motivos:
Em primeiro lugar, as lesões graves, que começaram logo aos 16 anos. Quando dizemos lesões é porque foram inúmeras, algumas inexplicáveis pelos diversos médicos que o observaram, a maior parte nunca debeladas por completo até ao fim do seu percurso futebolístico. Podemos sem dúvida afirmar que este foi o grande azar de Carmo no futebol.
Em segundo lugar, Carmo cometeu dois erros na gestão da sua carreira que vieram a ter larga influência no seu futuro: em 1991 e com 15 anos de idade, quando era provavelmente o melhor jogador algarvio do seu escalão, foi convidado a ingressar no Belenenses e no Estrela da Amadora (neste com o aval de Jesualdo Ferreira): recusou ambos os convites por motivos pessoais.
Em 92/93, é contratado pelo Farense, na altura a potência máxima do futebol juvenil algarvio, e com a equipa sénior de Paco Fortes a dar cartas no futebol nacional. Estava aqui uma excelente oportunidade para poder chegar ao patamar máximo do futebol luso. Carmo, já fustigado por lesões, era mesmo assim titular da equipa júnior (e como júnior de 1º ano), pelo que a sua decisão de voltar a Lagos ao fim de apena uma época (novamente por motivos pessoais) foi talvez a pior decisão que tomou na sua carreira.
Em terceiro lugar, a proverbial falta de empresário: Carmo nunca teve um ao longo da sua carreira profissional. Ao não aproveitar as duas oportunidades a que nos referimos anteriormente, viu gorar-se a hipótese de ser visto em outros palcos. Costuma dizer-se que não há duas sem três, mas a verdade é que a terceira oportunidade nunca chegou, e a restante carreira de Carmo foi jogada em divisões secundárias.

Acerca das qualidades futebolísticas de Carmo, podemos dizer que era um líder natural e um jogador respeitado e elogiado por todos. A sua posição natural era de médio-centro ofensivo (embora tenha jogado em quase todos os postos ao longo da sua longa carreira). Tinha uma boa técnica individual, bom remate com os dois pés e de cabeça, grande visão de jogo, rapidez e velocidade, força física e disponibilidade para ajudar a defesa. A sua característica mais marcante era porém a força mental, ou melhor, a sua capacidade instintiva e natural de se impor em campo, sem medo, apenas jogando o jogo pelo jogo, independentemente da qualidade do jogador ou equipa contrária.

Internacional e jogador para os três grandes? Talvez, talvez.. Jogador de 1ª Divisão: sem dúvida!!

Nota: como escrevemos no 1º parágrafo, como Carmo houve, há e haverá muitos outros jogadores que não singraram, por outros motivos é certo, mas com igual ou mais qualidade.